jusbrasil.com.br
30 de Março de 2020

Quem vai parar o Uber!?

Aplicativo não para de crescer e revoluciona o conceito de transporte urbano.

Geison Paschoal, Advogado
Publicado por Geison Paschoal
há 4 anos

Quem vai parar o Uber

Que o Uber está revolucionando o mercado de transportes urbanos não é novidade para ninguém. A exemplo disso temos aí as inúmeras manifestações dos taxistas e até mesmo ataques violentos que não saem das páginas de notícias.

É verdade que todo ser humano tem medo de mudança, uns conseguem aceitar melhor, outros não. Aliás, por falar em mudança, você sabe dizer quantas vezes o mundo mudou nos últimos dez anos? Está mudando inclusive neste momento. E como parte dessa mudança, tudo aquilo que é velho, quero dizer, conceitos ultrapassados; pensamentos conservadores; burocracia; estabilidade; enfim, modelos e pensamentos quadrados que aprisionam mentes e pessoas, serão enterrados pela onda da mudança.

Nesta nova realidade, qual seja, de um mundo novo e de mente aberta, se reinventar é condição sine qua non para estar presente na vida das pessoas, para sobreviver.

E nessa pegada de se reinventar, a notícia do dia é que o UBER está testando o serviço de transporte aéreo com helicópteros. Os testes ocorrerão durante o Sundance Film Festival, em Utah nos Estados Unidos: basta abrir a chamada pelo aplicativo que um motorista levará o cliente até o heliporto, de onde a pessoa seguirá viagem até o destino. Surpreso? Pois não fique.

Quem vai parar o Uber

Em Istambul, por exemplo, já está em funcionamento o UberBOAT, para transporte de passageiros em barcos de luxo que transportam entre 6 e 8 pessoas e tarifas por trecho percorrido (ao mesmo preço dos carros).

Quem vai parar o Uber

Em Seattle/EUA, no último mês de agosto, a empresa ofereceu (em parceria com a Warner) corridas nos carros do filme Mad Max: Estrada da Fúria. E além disso já entregou tablets em domicílio na Malásia e Cingapura, e até mesmo picolés aqui no Brasil.

TAXI vs UBER

E é isso que o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, fez ao propor a regulamentação do Uber no final de 2015. Mudança. Afinal, não há força maior do que a força da mudança. Ou você muda, ou você morre.

Como os taxistas estão vendo que cedo ou tarde vão morrer, pois não adianta lutar contra essa força, algumas medidas começaram a ser tomadas. Como a que entra em vigor na data de hoje obrigando todos os taxistas da capital paulista a se vestirem adequadamente: Camisa, calça social e blazer para homens, e tailleur para mulheres. Já para os táxis de luxo, terno e gravata ou smoking. Ou seja, os motoristas de táxi estão proibidos de usar trajes como camisas esportivas, bermudas, chinelos e bonés.

As exigências também incluem os veículos que devem estar sempre polidos e aspirados; ter carregador para celular e aceitar cartões de crédito. A tentativa de Haddad é oferecer as mesmas vantagens do Uber, deixando a concorrência entre taxistas e Uber menos injusta.

Isso pode representar uma mudança significativa para os usuários, no entanto, além das aparências, é preciso lembrar que os motoristas do Uber são muito bem educados e tratam o cliente como ele realmente deve ser tratado. Já os taxistas... Eu prefiro que vocês comentem. Rs


Se você gostou do texto e quer trocar uma ideia comigo, pode mandar um email para [email protected], ou então curta minha fanpage no Facebook.

Forte abraço amigos JusBrasileiros.

16 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Sou taxista e estudante de Direito. Estou saindo do táxi amarelinho aqui no Rio, e se conseguir, vou migrar para o Uber. Até para que eu possa terminar de forma melhor a faculdade.

Ou mudamos, ou morreremos. continuar lendo

Os taxistas ficaram décadas atrelados ao Estado, agora que chegou alguém com um serviço melhor e mais barato, ficaram com raiva...

Nada como o mercado livre para decidir o que é melhor. continuar lendo

Não acho que os taxistas estejam com raiva. Com certeza as cooperativas, sindicatos, prefeituras e donos das licenças estão.

A questão é que o uberista não é sindicalizado, o que incomoda o sindicato.

O uberista não precisa da licença da prefeitura, o que diminui o valor da mesma. Fato que ameaça os interesses da prefeitura (tinha um produto caro para vender); do dono da licença (além de ter um bem que comprou caro e agora vale pouco, ainda passou a ter dificuldades na negociação com os taxistas que dirigiriam seu carro).

O uberista não usa pontos nem cooperativas, ou seja, pouca gente pode saquear o resultado de seu trabalho. continuar lendo

Não Achille, não estão com raiva não. As agressões que praticam contra os motoristas Uber demonstram apreço e respeito...

Uber não paga licença? Bem, até onde sei NINGUÉM paga, pois é dada de graça. Se há um comércio o problema é outro. Há mais, taxista paga muito mais barato um carro, tem desconto no IPVA... Uber além de pagar o preço cheio do carro e do IPVA, ainda faz declaração de IR (pagamento em cartão, RF consegue monitorar), que duvido muito taxista fazer (RF não monitora pagamento em dinheiro). continuar lendo

Sr Eduardo

Cuidado para não confundir os taxistas com os sindicalistas e os ativistas profissionais. O próprio comentário do Sr Marcus Vinícios de Carvalho é um exemplo de um taxista que pretende se tornar uberista.

Eu sou mais pela livre concorrência: Lift competindo com Uber; AirB&B; Broota; Shipfy.... continuar lendo

E os tais 50% a mais no taxímetro por mudar de município ?? Que as vezes significa 1 quarteirão. Ladroagem é o nome. Acho justo pagar pelo que usei, acho justo o motorista ganhar bem sua vida, ter uma vida digna como todo trabalhador, mas eu não posso cobrar 50% a mais se presto um serviço ou vendo uma mercadoria em outra cidade.
Sou Uber desde criancinha. continuar lendo

"E como parte dessa mudança, tudo aquilo que é velho, quero dizer, conceitos ultrapassados; pensamentos conservadores; burocracia; estabilidade; enfim, modelos e pensamentos quadrados que aprisionam mentes e pessoas, serão enterrados pela onda da mudança."
Achei o máximo esta parte do texto que mostra conservadorismo nas atitudes de políticos de partidos ditos "progressistas". Afinal quem quer "proteger" os taxistas são exatamente os grupos ligados à esquerda política (termo usado aqui no sentido equivocado que tem sido comumente empregado no Brasil para rotular os "bons" e os "maus" na maldita luta de classes).

"Como a que entra em vigor na data de hoje obrigando todos os taxistas da capital paulista a se vestirem adequadamente: Camisa, calça social e blazer para homens, e tailleur para mulheres. Já para os táxis de luxo, terno e gravata ou smoking. Ou seja, os motoristas de táxi estão proibidos de usar trajes como camisas esportivas, bermudas, chinelos e bonés."
Mais uma medida autoritária do Sr Prefeito de São Paulo. Não sigo que não gosto do serviço prestados nestas condições de apresentação e higiene. Mas cabe exigir e punir os taxistas que não concordem? Os carros são deles, se eles não conseguirem passageiros, o prejuízo é deles....

"A tentativa de Haddad é oferecer as mesmas vantagens do Uber, deixando a concorrência entre taxistas e Uber menos injusta"
O que deixa a concorrência desequilibrada (não acho que seja injusta) é que os uberistas são livres. continuar lendo

Uberistas, como você chama, são livres sim. Mas pagam preço cheio no carro, no IPVA e tem obrigações de qualidade de serviço. E taxista, que obrigações tem? Se tem, porque o serviço é ruim? Se é bom, qual o problema em alguém concorrer com o serviço bom?

Claro, é muito melhor ter o monopólio. Mas não para quem paga. continuar lendo

Sr Eduardo

Eu sou usuário do Uber, serei do Lift quando chegar ao Brasil, e torço para que apareça um concorrente nacional.

Verifique com atenção meus comentários e verá que sou justamente contra o estatismo e o intervencionismo. continuar lendo

Retificando o comentário de Eduardo R ; taxista não tem desconto no IPVA, tem isenção total. Bem como isenção de IPI, ICMS e desconto adicional das montadoras para venda direta. continuar lendo