jusbrasil.com.br
30 de Março de 2020

'Pelo fim dos privilégios para deficientes' - Movimento causa revolta na internet

Geison Paschoal, Advogado
Publicado por Geison Paschoal
há 4 anos

Pelo fim dos privilgios para deficientes - Movimento causa revolta na internet

Pode parecer inacreditável, mas em Curitiba um outdoor está causando indignação por quem passa pela Rua Santa Cecília no bairro de Vista Alegre.

Identificando-se como 'Movimento pela Reforma de Direitos', o grupo pede o fim dos privilégios para deficientes.

A página, que no início desta manhã tinha apenas uma curtida (e no momento desta publicação já tem 66 curtidas) não apresenta nenhum telefone para contato.

Em uma postagem inicial, o responsável pede as seguintes mudança em nome de não privilegiar minorias, mas sim a maioria:

- Redução em 50% das vagas exclusivas pra deficientes; fim das cotas para deficientes em empresas; redução em 50% de filas e assentos exclusivos para deficientes; fim da isenção de impostos na compra de carro zero; fim das cotas em concurso público e fim à gratuidade para deficientes.

Os comentários dos internautas mostram a indignação: “Eu espero que isso seja uma brincadeira de mau gosto. Como pode colocarem algo com um pedido tão lamentável. Parece que a nossa sociedade está perdida”.

“Quando passei e vi me deu um um embrulho no estômago. Depois fui procurar no Facebook e fiquei mais indignada ainda. Como pode?”

O site Banda B enviou enviou uma mensagem ao perfil responsável pela postagem via Facebook e recebeu a seguinte resposta: "Somos os responsáveis pelo outdoor sim. Nosso movimento acredita que podemos tornar toda a sociedade mais justa trazendo mais justiça para alguns direitos, equiparando alguns benefícios com todos. Estamos um pouco receosos com alguns comentários que já apareceram aqui na página e preferimos não dar nossos nomes ou aparecer nesse momento. Mas vamos continuar nossa causa. Ainda hoje aqui no Facebook, vamos lançar as leis que acreditamos tornar a sociedade mais justa".

Para assustar ainda mais, na página do movimento existe com a seguinte frase:

"[...] E quando tudo no seu trabalho muda por causa de um deficiente só? Gastam muito pra adaptar o lugar, mas aquele aumento prometido há dois anos não sai. Fala a verdade, dá raiva, né?! É hora de dar um basta nisso! [...]"

É, realmente dá muita raiva... Estou torcendo para que isto seja uma campanha pela conscientização dos direitos dos deficientes, mas pelos comentários, a página está sendo denunciada ao Facebook e não deve ter muito tempo de vida, pelo menos, assim se espera.


Se quiser entrar em contato comigo, me mande uma mensagem aqui no Jus ou pelo email [email protected]

com informações do site bandab. Com. Br

58 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Estão em seu pleno direito, de defender suas opiniões e interesses.

É compreensível que alguém fique revoltado com essas opiniões, mas é no mínimo preocupante que, dentre esses, existam tolos que, aversos à liberdade de expressão e pensamento (geralmente estes já estão empenhados em outras inquisições contra outras heresias aos seus credos cívicos), querem perseguir esses cavalheiros com tochas e forcados aos confins da Terra. continuar lendo

Meu amigo, te garanto que voce ter que andar um quarteirão pra estacionar não é sofrimento nenhum do que viver preso na cadeira de rodas. continuar lendo

Preocupante mesmo é a opinião que é capaz de tolerar, num Estado de Direito, que comportamentos típicos e antijuridicos desse tipo sejam guindados á condição de "liberdade de expressão e de pensamento".
Dessa forma prefiro ser tachado de herege e inquisidor a ser cúmplice de tamanha hediondez. continuar lendo

"Meu amigo, te garanto que voce ter que andar um quarteirão pra estacionar não é sofrimento nenhum do que viver preso na cadeira de rodas."

Concordo. Mas é irrelevante para o ponto que tratei. O fato - inquestionável, para todos os efeitos - que os portadores de deficiência, seja física ou mental, possuem uma vida extremamente mais difícil que os demais - não torna as garantias estabelecidas pela lei sacrossantas, inatacáveis e indiscutíveis. Esta é uma sorte de sacralização perigosíssima no meio social. Vide:

"Preocupante mesmo é a opinião que é capaz de tolerar, num Estado de Direito, que comportamentos típicos e antijuridicos desse tipo sejam guindados á condição de"liberdade de expressão e de pensamento".
Dessa forma prefiro ser tachado de herege e inquisidor a ser cúmplice de tamanha hediondez."

O que não é o caso de propriamente "tachar", mas uma simples constatação básica dos fatos (exceto em relação ao "herege" - estes são os outros; sempre os outros).

Temos aqui um exemplo do inquisitor, que se ofende ao simples ler de algo que julga uma blasfêmia, e que ousa se arrogar como "defensor da lei" (de sua interpretação estreita, naturalmente), enquanto prega a ruína suprema das liberdades básicas dos seus cidadãos. Parafraseando Walter Williams, “É fácil defendê-la quando as pessoas estão dizendo coisas que julgamos positivas e sensatas, mas nosso compromisso com a liberdade de expressão só é realmente posto à prova quando diante de pessoas que dizem coisas que consideramos absolutamente repulsivas”.

Nada é mais destrutivo à civilização que a proibição de idéias. Isto sim é preocupante. continuar lendo

Que estão de pleno direito eles estão, afinal de contas ser um filho da mãe sacana ainda não é crime, mas não deixa de fazer deles um bando de filhos da mãe sacanas. continuar lendo

Eduardo Sefer,
Como conhecedor de nossas Leis, sabe que nossa Constituição prevê o tratamento desigual de acordo com as desigualdades, por isso existe não só leis que beneficiam PCD, como também as mulheres (Lei Maria da Penha). Ou seja, se existem tais leis, é o legislador cumprindo seu papel social acertadamente, trazendo igualdade jurídica aos desiguais. Assim, as pessoas que lideram esse "movimento" estão atropelando os direitos e garantias dadas aos desiguais. Por isso, tal movimento deve ser ilegal, além de ser antiético e totalmente mesquinho. continuar lendo

Posso não concordar com tal campanha, como não concordo, mas defendo o direito deles se manifestarem, é legítimo, me espanta quem quer calá-los. Todos tem o direito de lutar pacificamente pelos seus ideais, enquanto nenhum deles agredir ou ofender algum deficiente, entendo, que não há prejuízo nenhum em garantir o direito de manifestação.

Ps.: Existe grande probabilidade deste anúncio ser um HOAX ou algum tipo de brincadeira ! continuar lendo

É o politicamente correto=marxismo cultural. O ser humano deve ter uma opinião padronizada, quem sai fora da "régua" é nazista, fascista, homofóbico etc... (/engraçado é que se perguntar o que significa os ofensores ficam atônitos). Bem vindo ao sonhado mundo dos comunas. continuar lendo

Esse tipo de coisa me parece algo criado especificamente para "viralizar" na Internet e medir o quanto ela se espalha, agora resta saber o motivo para tal "Movimento pela Reforma de Direitos" existir, pode ser uma jogada de marketing de algum órgão ou instituição que luta pela defesa dos direitos dos portadores de deficiências para mostrar a irracionalidade desse tipo de comentário e criar um "public awareness" mas também não dá para descartar que seja uma mera ação de Astroturfing.
Na minha opinião particular pelo nível profissional dos materiais desse pessoal e pelos recursos isso deve ser outra campanha de marketing de guerrilha como foi o "enterro" do Bentley do Chiquinho Scarpa. continuar lendo

mas é uma jogada de marketing, e foi ótima continuar lendo

Conforme previsto
http://g1.globo.com/pr/parana/noticia/2015/12/outdoor-contra-privilegios-de-deficienteseacao-da-prefeitura.html continuar lendo

Pra mim isso é uma pegadinha para o dia 3 de dezembro.
Melhor acreditar que seja isso. continuar lendo

Caro Dr. Geison Paschoal, estava prestes a compartilhar este texto no Facebook, mas resolvi abortar a publicação no último instante. Acredito que pensamentos tão retrógrados como este não mereçam publicidade. Lamento profundamente saber que ainda existem pessoas sem o mínimo de sensibilidade e inteligência, para perceber que os verdadeiros privilegiados são aqueles que nascem sem qualquer tipo de deficiência, que se movimentam, que enxergam e que ouvem naturalmente, dispensando o auxílio de pessoas, de próteses ou de quaisquer outros tipos de recursos que os permita interagir com as pessoas e o ambiente em que vivem. A busca por recursos materiais e legais que visam MINIMIZAR as dificuldades e reduzir a distância entre estas pessoas e os "PRIVILEGIADOS", é o mínimo que se pode e deve ser feito em prol daqueles que nos dão a todo instante verdadeiras lições de perseverança. Parabéns pelos seus comentários, que demonstram sabedoria e consciência de coletividade. continuar lendo

Obrigado pela contribuição amigo! Forte abraço! continuar lendo