jusbrasil.com.br
30 de Março de 2020

Advogado salva casamento de cliente com um bilhete e vira herói na web

Geison Paschoal, Advogado
Publicado por Geison Paschoal
há 4 anos

O advogado Rafael Gonçalves, de São Sebastião do Paraíso (MG), virou um verdadeiro herói após compartilhar no seu perfil do Facebook uma história, no mínimo, inusitada.

Ao ser procurado por uma mulher que buscava o divórcio, Rafael percebeu que ainda havia uma ligação muito forte entre o casal.

“Tratava-se de um momento de conflito único e aquela decisão, ao meu ver, era precipitada! Mas quem sou eu pra interferir na vida alheia? Quem sou eu pra meter a colher na relação do casal? Quem sou eu pra julgar a decisão de ambos? EU SOU O ADVOGADO”.

Como de praxe, Rafael pediu à sua cliente os documentos necessários para dar entrada no processo de divórcio, mas acrescentou quatro perguntas que poderiam trazer uma reflexão.

Advogado salva casamento de cliente com um bilhete e vira heri na web

Fiz um pequeno questionário após solicitar os documentos e pedi que a moça respondesse as 4 perguntas a si mesma. Se após responder e analisar a situação com calma, longe do turbilhão de informações que estava lhe passando pela cabeça naquele instante, e ainda assim resolvesse se divorciar, que bastava me trazer a documentação e eu botaria um fim naquela história!”

“Aprendi ainda na faculdade que devo resolver conflitos, orientar as partes antes da decisão de partir pro campo jurídico. Assim fiz!”

Nesta quarta-feira, o casal voltou ao escritório de Rafael, devolveu a anotação que o advogado havia deixado com a mulher, dispensou seus serviços e agredeceu os conselhos.

“Perdi a cliente, mas ganhei um casal de amigos. São coisas simples da vida que valem a pena”, finalizou Rafael.

São de advogados assim que a nossa classe precisa.

Por Jornal Extra

263 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Parabéns colega, me lembrou uma orientação que dei a um cliente também!!! Inclusive indiquei livros e filmes!

Precisamos de dinheiro é claro, mas tem coisas que valem muito mais !

Sucesso
Att.

Gabriele Varelas continuar lendo

E querendo ou não, uma hora isso vai voltar, pode ter certeza! continuar lendo

Voltará, com certeza.

Tem dois porta vozes de um trabalhador digno, que vale mais do que qualquer propaganda.

Ele será o primeiro na lista para qualquer causa futura ou será o primeiro indicado pelo casal quando perguntarem se conhecem algum algum profissional. continuar lendo

Por um acaso o filme indicado foi "A guerra dos Roses". Se foi, parabéns, matou o divórcio/separação na hora, se não foi gostaria de saber o titulo. continuar lendo

Parabenizo pelo conteúdo.
Na "perda" do cliente, ganhou amigos.
Será que perdeu clientes?
Com certeza não, o casal amigo terá o amigo advogado como um grande mediador de conflitos, será uma referência de consultas para tantos, que por certeza, serão novos clientes.
Abraços continuar lendo

Sem palavras. Um oásis de humanismo em meio ao turbilhão de tragédias e escândalos que abalam nosso convívio social e jurídico.

Parabéns ao causídico envolvido por tomar uma daquelas atitudes que nos fazem ter um pingo de esperança em uma construção cultural que valorize a vida humana, antes de satisfazer suas necessidades pessoais. continuar lendo

Será que isso foi mesmo verdade?
Onde estão os envolvidos nesse caso?

Sei lá, boa estratégia de marketing! justamente com o papel timbrado do escritório dele..... continuar lendo

Ridícula colocação... inoportuna e maliciosa... uma pena... continuar lendo

Respeito sua opinião, Luiz.
Você tem todo direito de discordar. continuar lendo

Perfeito Fábio..tenha uma visão própria, não seja mais um cego nessa sociedade de pessoas hipócritas que segue o bando sem ao menos parar um instante pra analisar. continuar lendo

Se foi marketing ou não, isso não interessa a outros. Ao menos fez "marketing" com boa atitude e honestidade. Ele também deve ter família para cuidar. O mais importante foi que salvou um casamento. Ganharam ambos, ele ganhou com o "suposto" marketing, mas acima de tudo, com a feliz atitude, e o casal ganhou com a reconciliação. continuar lendo

Realmente espero que algum colega de Minas Gerais tenha o bom senso de denunciar a conduta inadequada do causídico oportunista! Claramente fez autopromoção, tipificado no estatuto da OAB. continuar lendo

José Maia Neto, prezado, por que parte do princípio que existe realmente um casal e que tudo não fora uma história inventada? Não entendi sua resposta ao sr. Fábio Menezes, que lançou uma dúvida completamente pertinente... continuar lendo

Se foi marketing, deveríamos então de analisar se pelo menos é verdade o fato narrado.Ou se ele inventou a estoria? Aí sim foi um marketing inteligente. Agora se é ou não um profissional correto é outro caso. Ele pode ter inventado a estoria como marketing, e temos que tirar o chapéu, muito bem pensado. continuar lendo

Se for apenas uma estoria narrada, como marketing, temos que tirar o chapéu. Foi um bom marketing. Porque, independente da situação, analisando o ocorrido como falso, foi um marketing perfeito ele alcançou diversas pessoas. Umas analisando como negativo e outras parabenizando. continuar lendo

Pois seja da forma que ele usou para ajudar, ele foi vitorioso!
Muito infeliz a sua colocação, mas em se tratando provavelmente de um advogado destes pedantes, que se consideram "deuses" eu não me admiro do seu comentário. Isto é que é triste na profissão. Pessoas maldosas e interesseiras!
Por um comentário assim, uma classe tem sua imagem denegrida.
O senhor queria que ele tivesse escrito num pedaço de papel de pão? continuar lendo

As realidades se nos mostram a partir do modelo de mundo que portamos, o que de certa forma, nos faz ver o mundo pelo que somos (ou pelo que não somos), relativamente.

Se dentro da profissão admite-se a incapacidade de uma visão, latu senso, humanista, o que esperar dos que estão fora? Nada, senão o reforço do estigma que a Justiça , de forma geral, carrega. E não é nada bom.

Se verdade ou mentira, se estratégia de marketing ou não, é o que menos importa agora, pois a reflexão terá um peso muito maior, inclusive para tentar arrefecer a hipocrisia dos "sábios" e ampliar a visão dos "críticos". continuar lendo

Marketing? - mas que marketing? Rafael Gonçalves deve ser desses advogados bem sucedidos e certamente soube registrar a ética que existe entre profissionais de sua categoria. Tenho uma livraria e não foi uma vez, mas várias, que dei um volume gratuito a pessoa que demonstrava não ter dinheiro para comprá-lo, e reconheci essa necessidade. Simples, dei os livros. Ganhei amigos, clientes fieis e, posteriormente, fui gratificado com surpresas de afeto e agradecimento, que sim, tornou-se o meu obrigado. Agradecimento é dessas coisas que não se pode adquirir. O bem nasce com o homem. que é bom ou não é, e benefícios e doação fazem parte da natureza humana. Experimente ser generoso e verá do que estou falando. continuar lendo

O comentário do Fábio Menezes significa alguma luz no fim do túnel! Não consigo compreender como as pessoas não se questionam sobre nada e tomam como verdade absoluta uma matéria de um jornaleco. Lamentável a notícia e um alívio o comentário do Fábio Menezes. Fora que o advogado que supostamente fez essa "grande realização humanitária" é um menino novo, o que, em um primeiro momento, nos leva a crer que pouco sabe das coisas da vida. Mas, como diz a sabedoria popular, o pior cego é aquele que não quer ver, portanto, iludidos, acreditem e sejam felizes (e respeitem aqueles que questionam as inverdades mais óbvias, que só servem para induzir o populacho). continuar lendo

Como se manifesta de modo feroz a INVEJA quando alguém faz sucesso! Se o Dr Geison apenas reportou um fato de sua rotina de trabalho por ter nele achado satisfação pessoal, teve o retorno merecido. Se forjou o bilhete com a intenção de fazer marketing, acertou em cheio e alcançou seu objetivo de modo além do satisfatório. Teve sucesso, seja lá como for, e espero que colha os frutos de sua investida bem sucedida, independente do mérito discutido aqui. Aos invejosos resta rosnar seus ressentidos protestos e roer as unhas. continuar lendo

Fabio, conheço o Rafa a um certo tempo, anos diria (risos). Sim, realmente este fato aconteceu! Ele sempre relatou casos diferentes em que ajudou os clientes em sua página no Facebook, claro sem citar os envolvidos no caso, ética profissional. rs

Nos dias de hoje quando uma pessoa ajuda o próximo o acontecido acaba sendo visto como uma "grande realização humanitária" , como fora citado anteriormente pelo nosso companheiro Carlos H. Cruz.
Apesar de ser um garoto novo, o Dr Rafael é um grande advogado e um ser humano admirável! Esse papel timbrado ele usa para escrever diversos textos, dicas sobre a vida e sobre amor.

As pessoas costumam julgar pela pouca idade, porém não sabem do que nós "garotos e garotas" temos de capacidade...

Fica aqui um comentário de uma futura advogada humanitária e amiga delel! continuar lendo

não só marketing, mas...não tem nada de mal em conciliar um casal, porém, por experiência própria, mulheres costumam se sentir culpadas pelo fracasso no casamento. Muitas vezes, mesmo vivendo um relacionamento abusivo, demoram anos para decidirem colocar um fim no casamento, tudo que elas NÃO precisam é de alguém falando para elas repensarem sobre o assunto, jogando ainda mais culpa e sensação de fracasso em suas costas. continuar lendo

Prezado Glaucio Coutinho, talvez você me entenda ao ler o comentário da Isis Gilberti abaixo. continuar lendo

Uma invasão de "lentes cor-de-rosa".....
Não creio que esse seja o papel de um advogado- questionar o que uniu o referido casal-.
Na minha visão foi uma atitude impertinente , em um assunto que foge completamente daquilo que diz respeito apenas às partes. Não há nada de bonito, nada de lindo, nada de que atitude mais humanitária, e etc....
Esse papel é de conselheiro sentimental ou psicologa de casais e não de um advogado. continuar lendo

Dra Luciana Oliveir é muito dura na sua postura advocaticia, na minha visão.
Advogado não deve ver só o seu sustento, os seus honorários, as suas causas; deve ser sim um conciliador, um leigo psicólogo, ... um ser humano que enxerga nas entrelinhas, nos olhares, na face do seu cliente, ... é um um ser humano culto e que sabe o valor de uma família, o valor de um amor, a necessidade da paz social, ... e a fagulha da vida.
O advogado não é um simples buscador de causas. Outras virão! continuar lendo

Com certeza Fábio, você e mais alguns são perdedores! Ah, e ridículos! continuar lendo